5 cursos grátis para fazer na quarentena

Uma pequena lista de cursos que estão disponíveis gratuitamente durante esse período de quarentena.

Durante esse período de quarentena e distanciamento social muita gente está trabalhando e estudando em casa.

Eu sei que não é todo mundo que pode usufruir dessa mudança, mas é inegável que o número de pessoas que precisou adotar o estilo de vida homeoffice aumentou consideravelmente em função da pandemia.

Por causa disso, muitas empresas que fornecem cursos online também passaram a disponibilizar alguns cursos de seus catálogos de forma gratuita. E isso é uma excelente oportunidade para aprender mais!

Pensando nisso, resolvi fazer a lista com a indicação de 5 cursos online e gratuitos que você pode fazer durante esse período.

Atenção! Verifique no site que oferece o curso se o curso continua disponível gratuitamente: algumas empresas liberaram o acesso gratuito durante apenas 30 dias.

Leia também: Sites para fazer cursos online gratuitos

1- Autoconhecimento Na Prática

Esse é um curso da área do desenvolvimento pessoal. Ele vai te ajudar a rever sua história, ressignificar suas memórias e desenvolver novos hábitos.

Fiz esse curso em 2018 e gostei bastante. Na época também tinha conseguido uma promoção de desconto de 100% para cursá-lo e essa promoção está disponível novamente agora.

Clique aqui para se inscrever gratuitamente.

2- Produtividade Na Prática

Nesse curso você vai aprender ferramentas e conceitos que irão te ajudar a se tornar mais produtivo, através de motivação, concentração e técnicas de planejamento de suas atividades, incluindo o GTD.

Acho que todo mundo deveria investir em conteúdo que te ajuda a planejar melhor suas atividades. Só assim para não enlouquecer diante de tantas demandas e responsabilidades.

Clique aqui para se inscrever gratuitamente.

3- Comunicação + Gestão do tempo

A chamada Trilha em tempos de home office, criada pelo portal educacional Veduca, reúne dois cursos gratuitos.

O primeiro na área de Comunicação, com dicas e discussões que podem te ajudar a se comunicar melhor. Já o segundo é sobre Gestão do tempo, que também vai te dar dicas para te ajudar a gerenciar seu tempo de forma mas eficiente.

O melhor de tudo é que esse curso tem certificado!

Clique aqui para se inscrever gratuitamente.

4- Curso de Marketing de Conteúdo

Rock University é um plataforma de cursos da agência Rock Content, especializada em serviços digitais. Essa plataforma tem um monte de curso gratuito na área de midias sociais, produção de conteúdo, marketing etc.

Eu já fiz esse Curso de Marketing Digital e recomendo muito para quem faz algum tipo de trabalho aqui na internet. Acesse o site deles para verificar se tem outro curso que você gostaria de fazer.

Clique aqui para se inscrever gratuitamente.

5- Aprendendo a aprender

A plataforma educacional Coursera disponibiliza diversos cursos, de Instituições do mundo inteiro, que podem ser realizados de graça. Para ter o certificado é necessário realizar o pagamento. Mesmo assim, vale a pena verificar a lista de cursos disponíveis e ter acesso a professores e universidades renomadas.

O primeiro curso que fiz nessa plataforma foi esse: Aprender a aprender: poderosas ferramentas mentais para ajudá-lo no domínio de temas difíceis. Esse é um curso excelente para quem deseja entender como funciona o processo de aprendizado e como você pode aprimorar o seu, tudo isso sobre a luz da ciência.

Já publiquei aqui no blog uma lista com 3 dicas para te ajudar a estudar baseada no que eu aprendi nesse curso. Fica a dica!

Clique aqui para se inscrever gratuitamente.

Se puder, fique em casa

Eu sei que esses dias nos quais estamos trancados dentro de casa abala nossa saúde física e emocional, mas esse é um sacrifício necessário para proteger a nós mesmo, as pessoas que amamos e nossa comunidade como um todo.

E eu acredito que nos ocupar, lendo, estudando ou fazendo qualquer outra atividade construtiva, pode nos ajudar a lidar com essa situação e aproveitar nosso tempo. Por isso fiz essa lista.

Falando nisso, deixo também essa lista com 10 livros para ler durante a quarentena, além do convite para que você participe do nosso Clube de Leitura.

12 regras para a vida

Um breve comentário sobre as regras citadas no livro maravilhoso do Jordan Peterson.

Precisamos conversar sobre o maravilhoso livro intitulado 12 regras para a vida do Jordan Peterson. E sim: vou te contar quais são as regras.

Esse livro já estava na minha lista faz tempo. Demorei para adquirir o livro físico (porque esse é o tipo de livro para ter na estante) e demorei na leitura em si, porque queria saborear cada capítulo, cada trecho e absorver todo o aprendizado possível presente nas palavras de Peterson.

Fiz isso porque sou uma grande fã desse autor e já acompanho o seu trabalho na internet já faz um tempo. Jordan Peterson é psicólogo clínico, já foi professor em Harvard e atualmente é professor na Universidade de Toronto. Faz muitos anos que ele posta suas aulas e palestras completas no Youtube.

Assistir seus vídeos me ajudou muito num momento complicado da minha vida. Depois de conhecer seu trabalho me senti na obrigação de investir nessa leitura.

E não me decepcionei.

Mas o que esse livro tem de especial?

Fonte: Amazon.

Uma das melhores características de Peterson é a sua capacidade de explicar conceitos e comportamentos utilizando exemplos da historia, das religiões, de livros de literatura e até conto de fadas.

Ele comenta passagens de livros, aspectos de personagens, momentos históricos, conceitos e narrativas religiosas para que o público compreenda o seu ponto de vista.

E sim, ele também utiliza exemplos da sua vida pessoal e da sua experiência enquanto psicólogo, o que também é bastante enriquecedor.

É claro que ele também trabalha com os pensadores da área da psicologia e psiquiatria. Mas você precisa admitir que tudo fica muito mais fácil de entender quando ele conta uma história conhecida do público e explica os aspectos psicológicos por trás daquela narrativa. É fascinante!

Em seu livro, Peterson utiliza essa mesma lógica para explicar a necessidade de adoção de cada uma das regras apresentadas, o que torna tudo bem didático.

E aqui cabe te lembrar que não julgue essas REGRAS como imposições ou obrigações. Não julgue que toda regra é desnecessária.

Veja bem. Como psicólogo, ele apenas vai te dar orientações, que são essas ditas regras, que podem te ajudar a amadurecer e a lidar melhor com os desafios da vida e com os seus relacionamentos.

Quais são as 12 regras para a vida?

12 regras para a vida

Logo abaixo, escrevi o título de cada uma das regras apresentadas e uma breve explicação para cada uma delas.

Lembrando que a explicação científica, história e filosófica para cada uma delas precisa ser lida! O que escrevi aqui é muito simplista, mas vai te ajudar a ter uma noção do que o autor discute em seu livro.

1- Costas eretas, ombros para trás

Preste atenção na sua postura. Tenha coragem para assumir seus posicionamentos e falar o que pensa. Não seja inofensivo. Aprenda a se impor e se fazer ser respeitado. Seja corajoso.

2- Cuide de si mesmo como cuidaria de alguém sob sua responsabilidade.

Entenda de uma vez por toda que você tem o dever de cuidar de si mesmo. Cuidar da sua saúde física e mental. Cuidar da sua integridade moral e espiritual. Ninguém vai fazer isso por você.

3- Seja amigo de pessoas que queiram o melhor para você

Deixo uma frase-chave desse capítulo para resumir essa regra.

"Se você tem um amigo cuja amizade não recomendaria à sua irmã, ao seu pai ou ao seu filho, porque teria tal amizade para si mesmo? (...) Você deve escolher pessoas que melhorem, não piorem."

4- Compare a si mesmo com quem você foi ontem, não com quem outra pessoa é hoje

Diga a verdade, não tente manipular ninguém. Aumente a sua percepção da realidade. Não foque na vida alheia, deixe a inveja de lado e entenda que as outras pessoas realmente podem ter algo melhor. E não tem problema. Foque em ser o melhor que você pode ser.

Pergunte-se:

"O que eu poderia fazer e faria para tornar a vida um pouco melhor?"

5- Não deixe que seus filhos façam algo que faça você deixar de gostar deles

Estabeleça limites na educação do seu filho. Saiba disciplinar e agir com responsabilidade enquanto pai ou mãe. Isso será importante para que a criança cresça num ambiente estável e aprenda a se comportar em sociedade. O mundo não será tão condescendente com o seu filho mau educado.

6-Deixe sua casa em perfeita ordem antes de criticar o mundo

Arrume a sua vida. Faça isso aos poucos, não tem problema. Pare de fazer o que você sabe que é errado. Pare de achar que tudo de errado que acontece na sua vida é culpa do mundo. Fortaleça o seu caráter, se torne menos corrupto. Isso vai te ajudar a lidar com as dificuldades.

7- Busque o que é significativo, não o que é conveniente

O conveniente está no ganho de curto prazo, nas soluções fáceis, na transferência de responsabilidade, naquilo que é momentâneo. O significativo requer sacrifício, trabalho, entrega, doação e equilíbrio. Alcançar o significativo não é fácil, mas o resultado final alcançado é muito mais gratificante.

8- Diga a verdade. Ou, pelo menos, não minta.

"A sua verdade é algo que só você pode dizer, pois é baseada nas circunstâncias únicas da sua vida. Compreenda sua verdade pessoal. Comunique-a cuidadosamente, de forma articulada, para si mesmo e para os outros."
"Se sua vida não é o que poderia ser, experimente dizer a verdade. Se você se prende demais a uma ideologia ou se remói no niilismo, experimente dizer a verdade. Se você se sente fraco e rejeitado, desesperado e confuso, experimente dizer a verdade."

9- Presuma que a pessoa com quem você está conversando possa saber algo que você não sabe.

Aprenda a escutar dentro de uma conversa. Seja humilde e entenda que a outra pessoa também pode ter algo para te ensinar. Aprimore suas habilidades de comunicação, incluindo se expressar melhor e tentar entender o ponto de vista do outro.

10- Seja preciso no que diz

"Diga o que quer dizer para que possa descobrir o que quer dizer. Aja de acordo com o que diz para que possa descobrir o que acontece. E então preste atenção. Perceba os seus erros. Articule-os. Esforce-se para corrigi-los. É assim que você descobre o significado da sua vida".

11- Não incomode as crianças quando estão andando de skate

Uma regra para te lembrar das diferenças comportamentais e evolutivas entre meninos e meninas, dos problemas ideológicos ao tratar esse assunto e da importância do desenvolvimento de homens e mulheres fortes e emocionalmente saudáveis para a sociedade.

12- Acaricie um gato ao encontrar um na rua

Em meio a dor, ao sofrimento, a doença e a crise, é importante aproveitar os pequenos momentos de distração e felicidade. Acariciar um gato (ou cachorro) pode ser um desses momentos. Além disso, conversar sobre esse sofrimento também é importante, mesmo que você não veja a solução sobre o problema.

Leia esse livro!

12 regras para a vida

Antes de tudo, preciso te contar que minhas regras preferidas foram a 4ª, a 7ª e a 8ª em função das explicações e citações que Peterson utilizou para embasar a necessidade dessas regras.

De qualquer forma, espero que você leia esse livro, todas as regras, e tire suas próprias conclusões. Espero que ele te ajude assim como tem me ajudado.

Clique aqui para adquirir esse livro.

Transparência: Eu participo do programa de afiliados da Amazon. Por isso, ao adquirir o livro utilizando o link disponível nessa postagem, você me ajuda a manter meu trabalho aqui na internet. Muito obrigada!

10 livros para ler durante a quarentena

Ler um bom livro vai te ajudar a lidar com esse momento de pandemia que estamos vivendo. Você vai se distrair e ainda vai ocupar o seu tempo com algo construtivo.

Nesse momento de pandemia de COVID-19, nosso distanciamento social pode salvar as vidas das pessoas mais vulneráveis à doença, que são os idosos e portadores de doenças crônicas.

Mas você não precisa passar por esse período se sentindo sozinho ou em crise por não saber mais o que fazer dentro de casa.

Uma das atividades a qual você pode se dedicar nesse momento é a leitura. Pensando nisso, separei uma lista com 10 livros de ficção para te ajudar a viajar nas histórias e se distrair nesse momento de tanta incerteza.

Todos os livros aqui citados podem ser lidos na versão de e-book disponibilizados no plano de Kindle Unlimited. Optei por listar apenas as obras disponíveis nesse plano em função do seu preço baixo e pela facilidade de aquisição de e-books.

Você não precisa esperar sua encomenda chegar, sabe… É só fazer o download.

Vamos à lista!

1- Harry Potter, J.K. Rowling

 10 livros para ler durante a quarentena
Fonte: Amazon.

Comecei essa lista com uma pequena trapaça. Mas calma, é por um bom motivo. Todos os livros da saga Harry Potter estão disponíveis no Kindle Unlimited. Eu já li esses livros e sou fã da série! Com certeza ela vai se entreter nesse momento.

2-Conde de Monte Cristo, Alexandre Dumas

10 livros para ler durante a quarentena
Fonte: Amazon.

Assisti ao filme baseado nesse livro e foi paixão a primeira vista! Se você quer uma história cheia de aventuras, reviravoltas e romance, então precisa ler esse livro.

Não tem como não se apaixonar pela vida de Edmond Dantès, o personagem principal dessa aventura! Não é à toa que se tornou uma obra tão famosa no mundo.

3- Drácula, Bram Stoker

10 livros para ler durante a quarentena
Fonte: Amazon

Gosta de histórias de terror? Então você vai gostar de ler esse clássico do terror gótico! Quem nunca ouviu falar de Drácula?

Eu nunca tive curiosidade de ler livros de terror, mas admito que esse livro está na minha lista de leitura em função de tantos comentários positivos sobre essa história que também tem muito suspense.

Detalhe importante: essa edição é bilíngue, o que significa que você também pode aproveitar a oportunidade para treinar seu inglês.

4- Orgulho e Preconceito, Jane Austen

10 livros para ler durante a quarentena
Fonte: Amazon.

Eu já assisti o filme, já li o livro e gosto tanto da história que resolvi colocar esse clássico da literatura inglesa na lista também. Para quem gosta de romance, essa é uma ótima escolha. Além disso, esse livro também está disponível em versão bilíngue.

5- Trilogia da Fundação, Isaac Asimov

10 livros para ler durante a quarentena
Fonte: Amazon.

Vou trapacear mais uma vez nessa lista e indicar outra saga para sua leitura.  A Trilogia da Fundação, composta pelos livros ‘Fundação’, ‘Fundação e Império’ e ‘Segunda Fundação’ —, foi eleita, em 1966, como a melhor série de ficção científica e fantasia de todos os tempos. Dá para acreditar?

Os fãs de ficção de científica e da escrita de Isaac Asimov não economizam elogios à essa história. Por isso, se você está procurando livros para mergulhar dentro da história, fica aqui a sugestão de leitura.

6- O Segredo de Emma Corrigan, Sophie Kinsella

10 livros para ler durante a quarentena
Fonte: Amazon.

Está procurando uma história romântica e divertida? Então você precisa ler esse livro! Não espere um livro extremamente complexo, mas aproveite uma história leve, descontraída e que ainda vai te arrancar risadas. Não tem como não amar esses livros da Sophie Kinsella.

7- A morte de Ivan Ilitch, Leon Tolstoi

10 livros para ler durante a quarentena
Fonte: Amazon.

Eu sei que em época de pandemia é complicado falar sobre doença e morte, mas esse livro nunca foi tão necessário como é agora. É impossível não se sensibilizar com essa novela inspiradora de Tolstoi.

E mais: é impossível não rever a própria vida depois de refletir sobre a trajetória e o destino de Ivan. Se você ainda tem dúvida se deve ler esse livro, sugiro que você leia minha resenha aqui.

8- Notas do Subsolo, Fiódor Dostoiévski

10 livros para ler durante a quarentena
Fonte: Amazon

Esse foi o primeiro livro que eu li de Dostoiévski. Esse livro é cheio de críticas sociais e históricas, além de te apresentar algumas memórias desse personagem complicado que está preso no subsolo anterior.

É muito interessante observar a forma como o autor trabalha a parte psicológica do personagem. Leia a resenha ou assista o vídeo que eu fiz sobre esse livro.

9- Ladrão de Casaca, Maurice Leblanc

10 livros para ler durante a quarentena
Fonte: Amazon.

Se você gosta de histórias cheias de suspense, tipo Sherlock Holmes, então vai gostar desse livro. Esse ícone da literatura policial vai te levar a conhecer a luta do inspetor Ganimard para capturar Arsène Lupin, o ladrão impossível­ de se capturar.

10- A dama do cachorrinho, Anton Tchekhov

10 livros para ler durante a quarentena
Fonte: Amazon

Mais um autor russo nessa lista para nos ensinar um pouco mais sobre a natureza humana. Os russos são simplesmente geniais em criar histórias que trabalhem tão bem a questão psicológica dos personagens. Não tem jeito.

E o melhor: esse é um livro de contos! Se você procura histórias curtas e envolventes para se entreter, então é bom ler esse livro.

Tem alguma dica de livro para essa quarentena?

Então compartilha comigo o livro que você vai ler nesse período. Nunca recuso dicas de livros, especialmente se for um livro bom.

Transparência: Eu participo do programa de afiliados da Amazon. Por isso, ao adquirir qualquer produto utilizando o link disponível nessa postagem, você me ajuda a manter meu trabalho aqui na internet. Muito obrigada!

6 lições que aprendi lendo A morte de Ivan Ilitch

Gostei tanto desse livro que resolvi compartilhar algumas lições que aprendi com ele. Livros de ficção também ensinam!

Quando estava escrevendo a resenha desse livro maravilhoso chamado A morte de Ivan Ilitch, de Leon Tolstoi, percebi que realmente tinha aprendido, ou pelo menos, refletido muito em função dessa história.

Pensando nisso, resolvi compartilhar 6 lições que aprendi com esse livro por aqui também, e espero eles te incentivem a ler esse livro, que é melhor do que muito livro de auto-ajuda, viu?

(Não me entenda mal, eu amo livro de auto-ajuda, mas é bom lembrar que nós também podemos aprender com novelas, romances, ficções em geral.)

Fonte: Amazon

1- Não viva de aparências

Ivan Iltich se mudou para São Petersburgo porque lá ele teria uma renda maior. Obviamente, não existe nada de mais em almejar um aumento de salário, mas Ivan Ilitch previsava de um aumento porque gastava bem mais do que ganhava.

Estar na moda, ir às festas e receber convidados importantes em casa etc. tem um custo elevado e ele gostava de se sentir importante. Mas no fim, percebeu que não tinha amigos de verdade e que sua própria família não sentia empatia pela sua dor, quando ficou doente.

Eu não quero chegar ao fim da vida e me sentir como Ivan Ilitch se sentiu, sozinho e arrependido do seu passado. Por isso, esse personagem me fez pensar que tomar decisões apenas para ser aceito socialmente, ou para manter as aparências, não vale a pena.

Leia também: Clube de leitura 2020

2- Não seja tão egoísta

Os médicos que cuidaram dele, seus familiares e até os amigos, o tratava com uma frieza, um certo distanciamento em função da doença, como se ignorassem o fato de que ele estava sofrendo.

Em vários momentos do livro, o personagem fala que tudo que ele queria era um abraço, que ele se sentia sozinho. Quer dizer, além de lidar com uma dor sem explicação, e que remédio nenhum aliviava, ainda tinha que lidar com a falta de empatia das pessoas com a sua situação.

Acredito que parte do motivo pelo qual somos egoístas é para auto-proteção. Porém é necessário trabalharmos a empatia em nossas vidas, nos colocar no lugar do outro, e entender que as pessoas sentem e possuem necessidades diferentes.

E isso é um processo de aprendizado. Se doar numa sociedade tão egoísta não é fácil.

3- Cuide de seus relacionamentos

Cuidar dos nossos relacionamentos é fundamental. Como disse Tom Jobim, é impossível ser feliz sozinho. Abandonar relacionamentos em crise nunca vai ter boas consequências no futuro. Fingir que está tudo bem também não.

E foi exatamente isso que Ivan Ilitch fez.

Casado com uma mulher ciumenta e desequilibrada, ele preferiu se afastar da vida familiar e se dedicar ao trabalho do que tentar resolver os problemas conjugais.

Resultado? O casamento acabou, apesar do casal continuar vivendo junto, e os filhos, especialmente a filha mais velha, não demonstraram empatia pelo pai quando ele mais precisava.

Tudo isso me faz pensar que é preciso resolver as pendências e tomar as atitudes necessárias para a manutenção dos nossos relacionamentos, por mais dolorosas que sejam, principalmente no contexto familiar, nosso núcleo social mais importante.

4- O sofrimento também ensina

Parece cliché, mas a verdade é que o sofrimento e a doença realmente nos fazem enxergar coisas que, até então, poderiam estar ocultas aos nossos olhos, principalmente no que se refere a relacionamentos.

Ivan Ilitch, por exemplo, só conseguiu enxergar as mentiras, a hipocrisia que o cercava e as decisões erradas em sua própria vida quando estava doente, à beira da morte. As dificuldades revelam as pessoas: os outros e nós mesmos.

5- Nem sempre haverá uma segunda chance

Ivan Ilitch consegue perceber tudo o que havia de errado em sua vida e em sua família em meio ao sofrimento. Porém, ele não teve tempo para mudar absolutamente nada. Morreu em função da sua doença desconhecida.

Isso me faz lembrar que nem sempre eu terei segundas chances para mudar. Não podemos esperar o sofrimento chegar para fazer o que é certo.

6- “O que eu estou fazendo com a minha vida?”

A história de Ivan Ilitch conversa com o leitor, especialmente nos seus momentos de dor e reflexão. Nessas horas, ao ser confrontado com a vida do personagem, você é levado a refletir sobre a sua própria vida e a questionar:

O que eu estou fazendo comigo?

O que estou construindo em termos de relacionamentos e legado? E não me refiro ao legado material aqui…

Tolstoi inicia o livro nos revelando que a história de Ivan Ilitch é comum. E ele não está errado… Todos nós vamos morrer um dia e é por isso que devemos nos fazer constantemente essas perguntas, até para não se arrepender do que fizemos, ou não, quando chegarmos ao fim da vida.

Conclusão

A história de A morte de Ivan Ilitch é emblemática e repleta de significados. Não é à toa que esse livro se tornou tão conhecido mundialmente. É aquele tipo de clássico que merece o título de clássico, e a prova de que romances também são capazes de ensinar. Todo mundo deveria ler.

Para comprar esse livro clique aqui.

Transparência: Eu participo do programa de afiliados da Amazon. Por isso, ao adquirir o livro utilizando o link disponível nessa postagem, você me ajuda a manter meu trabalho aqui na internet. Muito obrigada!

A morte de Ivan Ilitch

Resenha e comentários sobre essa obra prima de Leon Tolstoi.

Quando comecei a escrever esse texto, pensei em utilizar uma frase que simbolizasse o livro no título. O problema é que resumir A morte de Ivan Ilitch em uma frase é, para mim, impossível, tamanha foi a impressão que essa obra me deixou.

A morte nos força a enxergar as coisas de uma perspectiva diferente, e é por isso que a história de Ivan Ilitch é tão impactante. Ela nos força a olhar para o passado e a refletir sobre nossas escolhas no presente.

Ela nos força a repensar sobre nossas hipocrisias, sobre tudo aquilo que fazemos apenas para sermos aceitos socialmente, sobre nossos relacionamentos deteriorados e sobre tudo aquilo que deveríamos fazer diante desse cenário, mas não fazemos.

Para te falar a verdade, acredito que essa novela de Leon Tolstói, que foi publicada pela primeira vez em 1886, nunca deixará de ser atual, exatamente por nos fazer pensar em tudo isso que disse anteriormente. E o autor, esse grande autor, nos leva a refletir da melhor maneira possível: através de uma história.

Fonte: Amazon.

O que o sofrimento e a morte de Ivan Ilitch é capaz de nos revelar?

"A história da vida de Ivan Ilitch foi das mais simples, das mais comuns e portanto das mais terríveis."

O livro já começa nos mostrando como os colegas de trabalho de Ivan Ilitch recebem a notícia de sua morte. Ele já estava doente há muito tempo, mas ao invés de verdadeiramente se entristecerem com sua morte, eles pensavam mesmo era em quem ocuparia o cargo do finado.

Ou seja, por que se importar com o colega de trabalho, não é mesmo? “Eu quero saber é do aumento que eu posso conseguir, dos benefícios do seu cargo.” São atitudes tão frias e egoístas, que nos mostram que essa história realmente poderia ser real.

O mais interessante é notar que Ivan Ilitch não era uma pessoa ruim. Pelo contrário, ele era um homem aparentemente exemplar.

Não tinha problemas com ninguém, gostava de usufruir dos pequenos prazeres da vida, estudou muito e conseguiu alcançar um cargo importante como magistrado em São Petersbugo, capital da Rússia. Casou-se com Praskovya Fiodorovna e teve dois filhos.

Ele seguiu todos os protocolos, seguiu a receita a risca para ser um homem feliz.

O problema é que vida de Ivan Ilitch era exatamente isso, feita de aparências. Apesar dele ser um exímio profissional, que buscava tratar a todos igualmente, em casa as coisas não iam bem.

Sua mulher, claramente desequilibrada e ciumenta, provocava muitas brigas, e Ivan, em função dessas brigas, que o deixava bastante aborrecido, decidiu se afastar da vida familiar e se entregar de corpo e alma ao trabalho. Quer dizer, ele preferia trabalhar do que estar com sua mulher, o que também o afastou dos filhos.

É importante ressaltar aqui que Ivan gostava de manter as aparências. Ele não era inocente. Ele gastava mais do que ganhava, inclusive se mudou para São Petersburgo também em função do salário e do reconhecimento social, e organizava vários jantares para pessoas socialmente importantes. Ou seja, ele também contribuía para a encenação da própria vida.

Foi somente diante de um problema de saúde incompreensível, resultado de um acidente doméstico, que ele percebeu que sua vida toda parecia uma grande mentira. Ele começou a sentir dores, procurou vários médicos, e seu sofrimento não era aliviado. As dores só aumentaram. Ele perdeu peso, começou a definhar fisicamente, tomava cada vez mais remédios, mas nada aliviava sua dor.

Porém, pior do que tudo isso, era perceber o descaso dos seus próprios familiares e dos profissionais de saúde que o atendiam, na forma como eles lidavam com sua situação. Eles fingiam que nada estava acontecendo, a ponto de Ivan Ilitch simplesmente parar de relatar o quanto estava sofrendo.

Ou seja, além do sofrimento físico, ele também lidava com o sofrimento psicológico. Ele se via como um peso na vida das pessoas e não foram poucas as vezes que ele desejou a morte, tanto pela dor, como pelo descaso. Ele estava sozinho. Nem seus filhos pareciam se importavam com ele, especialmente sua filha mais velha.

E foi no meio dessa dor que ele nos contou sua história e tentou identificar tudo aquilo que deveria ter sido diferente. Fica evidente que o Ivan do início da história é muito diferente daquele do final, muito mais consciente do mundo egoísta que criou para si e dos próprios problemas.

Sua carreira, sua família de faz de conta, seus desejos medíocres, tudo isso vem a tona e ele toma consciência da sua solidão e finitude.

Ele morre aos 45 anos de idade. Sim, Ivan Ilitch não teve nenhuma chance de mudar sua vida. Ele chega ao fim consciente de que tudo poderia ter sido diferente, mas ele não tem mais tempo. Na vida real, são poucas as vezes que temos segundas chances, não é?

O que me consola é que no fim, já à beira da morte, ele encontra o significado, ele encontra redenção e descobre que não estava tão sozinho como pensava.

Melhor do que livro de auto-ajuda

Acredite em mim quando digo que esse livro é melhor do que muito livro de auto-ajuda. Você vai sofrer com o personagem e vai aprender com ele. Vai rever a própria vida, enquanto acompanha o desenrolar do sofrimento de Ivan Ilitch, junto com todos os conflitos que o cercam.

Essa história poderia ser real. Na verdade, ouso afirmar que ela já deve ter acontecido várias vezes, com diversas pessoas diferentes. E é por isso, por sua realidade travestida de novela russa, que todos deveriam ler.

Para comprar esse livro clique aqui.

Transparência: Eu participo do programa de afiliados da Amazon. Por isso, ao adquirir o livro utilizando o link disponível nessa postagem, você me ajuda a manter meu trabalho aqui na internet. Muito obrigada!

Um autor defunto em… Memórias Póstumas de Brás Cubas

Resenha e comentários sobre essa obra incrível de Machado de Assis.

Memórias Póstumas de Brás Cubas é um clássico da literatura brasileira que eu nunca havia lido. Mas seguindo nosso cronograma do Clube de Leitura 2020, esse mês foi dedicado a essa obra.

Esse livro foi lançado em 1881 e inaugura a fase realista de Machado de Assis, apesar de ser um romance que aborda mais a questão psicológica do personagem do que faz críticas sociais. Não que isso também não seja abordado, afinal é uma obra realista, mas não me parece que seja esse o foco.

E que livro surpreendente! Esperava que fosse um livro monótono e de linguagem muito rebuscada, mas a escrita de Machado de Assis me deixou encantada!

O texto é cheio de ironias, sátiras, trocadilhos, personagens de caráter duvidosos, diálogos inteligentes e trechos que falam especialmente com o leitor. Isso tudo me impressionou!

Outra coisa interessante é que as memórias de Brás Cubas não são narradas seguindo uma ordem cronológica clara dos eventos. Ele começa falando sobre sua morte, seu enterro, depois volta para infância de Brás Cubas e segue narrando eventos importantes até voltar ao ponto inicial: ele está morto.

Pode parecer confuso, mas o resultado no livro é muito bom! Eu realmente me senti como se estivesse lendo um diário, onde a pessoa não só narra os acontecimentos da sua vida, mas também seus pensamentos e suas divagações.

Antes de continuar preciso lembrar que, por se tratar de um clássico tão conhecido, já existe muita resenha, análises e discussões profundas sobre isso aqui na internet. Porém, aqui o meu foco será nas partes que mais chamaram a minha atenção, ok? Até porque nem sou especialista no assunto.

Sem mais, vamos aos destaques.

Um autor defunto em Memórias Póstumas de Brás Cubas
Imagem do Filme. Fonte: Canal do Ensino.

Dedicatória

"Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico como saudosa lembrança estas memórias póstumas."

Acredito que essa seja a frase mais famosa desse livro! E eu não canso de admirar a construção dessa frase. O defunto autor fez a dedicatória que combinava com ele mesmo e com a sua história. Essa frase realmente mostra o tom do livro.

O defunto autor: Brás Cubas

Brás Cubas está morto. O principal personagem da história, o narrador, aquele que conta suas memórias e conversa com o leitor, escreve seu livro do além.

E quando falo que o dono dessas memórias conversa com o leitor, é porque, em vários momentos, você se depara com textos realmente voltados para o leitor, como esse abaixo:

"Deus te livre, leitor, de uma ideia fixa; antes um argueiro, antes uma trave no olho."

Sobre Brás Cubas em si, de maneira resumida, podemos dizer que ele era de família rica, mimado, criado com muitas regalias e que nunca precisou trabalhar na vida. Mas, na velhice, percebeu que queria experimentar a “glória atemporal”, fazer algo importante. Foi quando ele criou que deveria ser o “famoso Emplasto Brás Cubas”, um tipo de medicamento.

Esse estilo de vida, sem grandes necessidades, criou um homem medíocre, que não se tornou exemplar em nada, nem construiu coisa alguma durante sua vida. Quer dizer, ele tinha todas as condições para se tornar alguém grande, importante, mas não conseguiu atingir a “glória”.

Nem família, nem negócios, ele não conquistou nada. E esse fato se traduziu no trecho que fecha o livro e que traz o balanço da vida do personagem.

"Este último capítulo é todo de negativas. Não alcancei a celebridade do emplasto, não fui ministro, não fui califa, não conheci o casamento. Verdade é que, ao lado dessas faltas, coube-me a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do meu rosto. Mais; não padeci a morte de D. Plácida, nem a semidemência do Quincas Borba. Somadas umas coisas e outras, qualquer pessoa imaginará que não houve míngua nem sobra, e conseguintemente que saí quite com a vida. E imaginará mal; porque ao chegar a este outro lado do mistério, achei-me com um pequeno saldo, que é a derradeira negativa deste capítulo de negativas: — Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria."
Um autor defunto em Memórias Póstumas de Brás Cubas
Fonte: Cinematologia

As histórias de Brás Cubas

Na história de Brás Cubas também conhecemos muitos personagens que merecem ser mencionados.

Uma das histórias mais interessantes da sua juventude foi o romance com a jovem Marcela, praticamente uma prostituta, linda e extremamente interesseira. Ela só se importava mesmo com os presentes que recebia. Foi em função desse romance que ele disse essa outra frase famosa:

"Marcela amou-me durante quinze meses e onze contos de réis; nada menos."

Já na idade adulta, Brás Cubas se tornou amante de Virgília, com a qual chegou a negociar um casamento, mas ela optou por casar com Lobo Neves, que seria ministro. O romance entre eles começou mesmo depois do casamento e durou anos.

É interessante notar como no início eles tinham receio de serem descobertos, mas depois de um tempo pararam de se importar tanto com as fofocas e a possibilidade de serem pegos. Ou seja, perderam a vergonha na cara. Ambos fingiam muito bem, mas Virgília era uma verdadeira atriz para desconversar a traição do marido.

Não estou dizendo que o problema era só o comportamento dela, tá? Mas quem tinha um compromisso, um casamento, era ela. E vocês precisam ver como ela fingia bem na história. Obviamente, Brás Cubas não ficava muito atrás, mas ele não era casado. Vale lembrar que trair não é legal.

Brás Cubas até teve pretendentes a esposas, mas nenhuma delas deu certo. Antes de conhecer Virgília, ele conheceu Eugênia, que era coxa, manca, fato que o fez interromper o avanço das coisas.

"Por que bonita, se coxa? Por que coxa, se bonita?"

E enquanto estava com Virgília, Brás Cubas conheceu Eulália, a Nhã-loló, que acabou morrendo de febre amarela posteriormente. Ou seja, ele não teve muita sorte no amor e preferiu continuar sustentando um caso de amor, sem futuro, com uma mulher casada.

Um trecho que me chamou bastante atenção no livro é o que narra o encontro de Brás Cubas com Prudêncio, ex-escravo e agora seu empregado, que espancava seu próprio escravo. Se Brás Cubas não tivesse interferido, talvez o escravo até tivesse sido morto.

Quando era criança, Brás Cubas fazia Prudêncio sofrer muito com suas brincadeiras, tratando-o como um animal. Ele foi uma criança terrível. Porém, agora que era livre, Prudêncio continuou o ciclo de violência, e abusava de seu próprio escravo. Quantas vezes continuamos ferindo outras pessoas da mesma forma que nos feriram?

"Era um modo que o Prudêncio tinha de se desfazer das pancadas recebidas - transmitindo-as a outro. Eu, em criança, montava-o, punha-lhe um freio na boca, e desencava-o sem compaixão, ele gemia e sofria. Agora, porém, que era livre, dispunha de si mesmo, dos braços, das pernas, podia trabalhar, folgar, dormir, desagrilhoado da antiga condição, agora é que se desbancava: comprou um escravo, e ia-lhe pagando, com alto juro, as quantias que de mim recebera."

Outro personagem interessante da história é seu amigo Quincas Borba. Sim, aquele mesmo desse outro livro do Machado de Assis. (Nunca li a obra, mas amei esse crossover.)

Quincas Borba apresenta para ele o “humanitismo”, um sistema filosófico que, muito resumidamente, te auxilia a lidar com os problemas do mundo e destrói a dor, na medida que te ensina a enxergar os benefícios das dificuldades.

A ironia da situação é que Quincas Borba possui um problema sério: ele está em estado de semidemência. Mas antes de saber disso, Brás Cubas aprende mais sobre humanitismo, sendo que alguns trechos dessa explicação chegam a ser engraçados, como esse abaixo.

"Quanto ao Quincas Borba, expôs-me enfim o Humanitismo, sistema de filosofia destinado a arruinar todos os demais sistemas."
Um autor defunto em Memórias Póstumas de Brás Cubas
Fonte: Banco de Conteúdo Culturais

A evolução dos personagens

No fim da vida, já lá para os seus 60 anos, Brás Cubas encontra com vários personagens que fizeram parte da sua história, incluindo os que foram citados anteriormente.

Aqui é interessante notar as mudanças pelas quais passaram esses personagens, cujo término de todos nem foi tão explicado. Mas assim é a vida, né? Você convive com alguém e depois de um tempo, quando encontra essa pessoa novamente, percebe como as coisas mudaram, e às vezes é para pior.

O que aprendi com essa leitura?

  • Cheguei a conclusão que às vezes a multidão tem razão. Esse livro é realmente muito bom! Quando na sua vida você se deparou com um livro escrito da perspectiva do personagem morto? Só Machado de Assis mesmo…
  • É interessante perceber que todos nós temos potencial para terminar a vida exatamente como esse personagem. Sem deixar nenhum legado, sem construir nada. Uma vida comum, de um personagem que, apesar de muito rico, em essência, poderia ser qualquer um de nós.
  • A língua portuguesa é um instrumento de arte nas mãos daqueles que sabem utilizá-la, como Machado de Assis. Além da história da vida de Brás Cubas, os pensamentos do personagem sobre seus funerais e a morte são muito interessantes de serem lidos.
  • Tudo fica mais interessante com uma boa dose de humor, ironia e um pouco de sarcasmo. Esse livro seria totalmente diferente se o autor não tivesse usado esses elementos. E não seria tão legal.
  • Todo mundo deveria ler esse livro. Se você não leu, por favor, inclua na sua lista!

Para adquirir esse livro clique aqui.

Transparência: Eu participo do programa de afiliados da Amazon. Por isso, ao adquirir qualquer livro utilizando o link disponível nessa postagem, você me ajuda a manter meu trabalho aqui na internet. Muito obrigada!

As 10 bibliotecas mais lindas do mundo

Nessa lista você irá encontrar algumas das bibliotecas que merecem ser incluídas no seu roteiro de viagem.

Acredito que todo amante de leitura fica encantado quando se depara com uma biblioteca. E se a biblioteca for linda, melhor ainda! Pessoalmente, eu fico maravilhada toda vez que vejo uma biblioteca cheia de livros e com uma arquitetura e design apaixonantes, mesmo que apenas em fotos.

Aparentemente, não existe um consenso quanto quais bibliotecas devem estar nesse TOP 10, como é possível concluir ao comparar as listas da Forbes, do The Guardian, da Best Value Schools e do Viajali.

Isso acontece porque existe muita biblioteca linda por aí. Para você ter uma ideia, existe um livro lindo, publicado pela editora alemã Taschen, que reúne as fotos e descrições das bibliotecas mais lindas do mundo!

Por isso, as bibliotecas que compõem a lista abaixo das 10 bibliotecas mais lindas do mundo também foram escolhidas utilizando um critério pessoal e, portanto, subjetivo. Ou seja, pesquisei bastante e construí essa lista de acordo com minha visão clássica de arquitetura, arte e design.

Espero que você concorde com as minhas escolhas. Lembrando que as bibliotecas não estão citadas de acordo com a ordem de beleza. Elas foram dispostas de forma aleatória, ok?

Leia também: Por onde começar a estudar arte?

1- Biblioteca da Abadia de Saint Gall, St. Gallen, Suiça

Vamos começar com o pé direito? Considerada um patrimônio mundial da humanidade pela UNESCO, o Convento de St. Gall, foi fundado no século VIII, mas foi reformada e passou a adotar o estilo barroco no século XVIII, marca arquitetônica dessa linda biblioteca.

A biblioteca guarda quase 160.000 volumes, com a maioria disponível para uso público, além de livros impressos muito antigos. A coleção inclui 1650 incunábulos (livros impressos antes de 1500) e 2100 manuscritos que datam dos séculos VIII a XV.

Aqui tem um vídeo produzido pela UNESCO no qual você conhecer melhor o interior da Abadia e os detalhes dessa biblioteca linda!

2-Biblioteca da Abadia de Admont, Áustria

O salão da biblioteca da Abadia de Admont é um show a parte. Com arquitetura barroca, concluída com um afresco em 1776, foi encomendada pelo abade Matthäus Offner (reinado 1751-1779).

A enorme sala, dividida em três partes, é considerada o maior salão de biblioteca monástica do mundo. Os sete afrescos do teto são de responsabilidade do artista Bartolomeo Altomonte e mostram os estágios do conhecimento humano, desde pensar e falar sobre ciência até a revelação divina na cúpula central.

O escultor da abadia, Josef Stammel, criou as extensas obras de arte esculturais do State Hall, esculpidas em madeira de tília. Particularmente impressionantes são as ‘Four Last Things’, um grupo de quatro representações maiores do que a vida: morte, julgamento, céu e inferno.

O salão da biblioteca abriga cerca de 70.000 volumes, sendo que o tesouro mais precioso são os mais de 1.400 manuscritos (do século 8) e os 530 incunábulos (primeiras impressões até o ano 1500).

3- Stiftsbibliothek Kremsmünster, Kremsmünster, Áustria

Essa é outra biblioteca impressionante! Seu salão foi construído em 1776 com os desenhos do arquiteto Carlo Antonio Carlone, que criou essa representação barroca com mais 65 metros de comprimento.

Ao todo, 230.000 livros são guardados nesse local, que é considerado uma das maiores coleções de livro da Áustria.

Além disso, a biblioteca também pode ser considerada uma verdadeira coleção de arte. Contém afrescos de Melchior Steidels e seu trabalho em colaboração com Josef Ruffin, além de afrescos de Christoph Lederwaschs ( no teto oriental) refletem sabedoria e autoria.

Também é possível encontrar o East Hall (salão grego), dominado por retratos clássicos de autores gregos. Já no Hall, por causa dos retratos dos autores, é possível observar a superação da sabedoria mundana através da graça divina. Jesus, de doze anos de idade, é representado no templo, surpreende os escribas e Paulo proclama Cristo no Areópago de Atenas como o deus desconhecido a quem os gregos adoram.

Deve ser incrível conhecer um lugar assim!

4- Biblioteca do Convento de Mafra, Mafra, Portugal

A biblioteca encontrada no Palácio Nacional de Mafra é considerada uma das mais belas do mundo! Foi construída pelo arquiteto português Manuel Caetano de Sousa, segue o estilo barroco do Palácio e possui o formato de cruz.

O corredor central exibe um chão revestido com uma combinação de mármores rosa, azul e amarelo. As estantes, de estilo rococó, são feitas de madeira vinda do Brasil e abrigam mais de 30 mil volumes raros dos séculos 14 ao 19.

A biblioteca abriga milhares de livros encadernados em couro com gravações a ouro. Além disso, para você ter uma ideia da coleção de livros abrigados ali, nessa biblioteca é possível encontrar a segunda edição de Os Lusíadas, de Luís de Camões, de 1520, além da maior coleção mundial de livros proibidos pela Santa Inquisição. (Clique aqui para ler o texto completo).

5- Biblioteca de Wiblingen, Ulm, Alemanha

As 10 bibliotecas mais lindas do mundo
Fonte: Viajali.

O monastério de Winglimen, que abriga essa linda biblioteca, foi fundado em 1093 pelos condes Hartmann e Otto von Kirchberg. Em 1714, o monastério passou por um processo de renovação e expansão, transformando a abadia em uma imponente obra de arte barroca.

A biblioteca do mosteiro, segue esse mesmo estilo arquitetônico. Seu interior rococó apresenta uma galeria ornamental e sinuosa, que abriga várias estátuas.

Além disso, esses detalhes associados ao afresco do teto representam a visão do arquiteto de que a biblioteca é um lugar para preservar “tesouros da sabedoria e da ciência”. E eu acredito que ele alcançou seu objetivo!

6- Biblioteca Pública de Nova York, Nova York, EUA

Diferentemente das bibliotecas anteriores, na Biblioteca Pública de Nova York existe um espaço onde você pode realmente estudar. Imagina estudar num lugar como esse?

A biblioteca, construída no século XIX, é considerada a segunda maior biblioteca do mundo e abriga cerca de 53 milhões de itens, entre livros e outros objetos.

Além disso, na biblioteca também ocorrem eventos e debates relacionados a música, arte, cinema e livros. Se você for viajar para Nova York e ficou com vontade de conhecer o local, pode acessar o site da instituição para conhecer os eventos que estão ocorrendo.

7- Biblioteca George Peabody, Baltimore, EUA

As 10 bibliotecas mais lindas do mundo
Fonte: Wikipedia

Outra biblioteca linda localizada nos EUA é essa aqui. Seu prédio foi inaugurado em 1878 e foi projetado pelo arquiteto de Baltimore Edmund G. Lind, em colaboração com o primeiro reitor do Instituto Peabody, Dr. Nathaniel H. Morison.

O salão principal contém cinco andares com varandas ornamentais de ferro fundido, que se elevam drasticamente até a clarabóia a 61 pés acima do chão.

A biblioteca contém 300.000 volumes, principalmente do século 19, com pontos fortes em religião, arte britânica, arquitetura, topografia e história; história, biografia e literatura americanas; línguas e literatura romances; história da ciência; e geografia, exploração e viagens.

Além de ser possível estudar nessa biblioteca, também existe a possibilidade de realizar eventos em seu interior, inclusive casamentos.

Linda, não é?

8- Biblioteca Nacional da França, Paris, França

Outra biblioteca na qual é possível estudar, comparecer a eventos, conhecer exposições de arte e música, é a Biblioteca Nacional da França.

Fundada no século XVIII, ainda como uma Livraria Real, a biblioteca passou por uma reestruturação em 1858.

Nessa época, a reestruturação ficou sob responsabilidade do arquiteto Henri Labrouste, cujo nome permanece especialmente ligado à construção da sala de leitura das Gravuras (1868), essa aí da imagem acima, onde o uso do ferro fundido tem destaque.

Ao todo, são mais de 15 milhões de livros e obras armazenadas nesse local. Você pode conferir a programação de eventos e exposições acessando o site oficial da biblioteca.

9- Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal

As 10 bibliotecas mais lindas do mundo
Fonte: Biblio

A Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra foi construída em 1717, sendo que seu nome é uma homenagem à D. João III, o Magnânimo, que ficou conhecido como o grande patrono da cultura, da ciência e das artes, e esta biblioteca é o testemunho notável da política cultural do rei. 

A biblioteca apresenta um estilo barroco, sendo reconhecida com uma das mais originais e espetaculares bibliotecas barrocas europeias. Além de local de pesquisa de muitos estudiosos, o espaço pode ser utilizado para concertos, exposições e outras manifestações culturais.

Além disso, ela abriga livros bem antigos. São várias coleções que datam do século XV e XIX, entre outros.

Quem gosta de monumentos históricos e está viajando para Portugal, precisa conhecer esse lugar!

10- Real Gabinete Português de Leitura, Rio de Janeiro

As 10 bibliotecas mais lindas do mundo

E quem disse que o Brasil também não tem seu próprio exemplar de biblioteca linda e histórica? Pois saiba que ela existe por aqui também e está localizada no Rio de Janeiro.

O Real Gabinete Português de Leitura foi criado em 1837, por um grupo de emigrantes portugueses do Rio de Janeiro, mas só se transforma em biblioteca pública em 1900.

O edifício é marcado pela chamada arquitetura manuelina, que se carateriza pela exuberância plástica, o naturalismo, a robustez, a dinâmica de curvas e o recurso a motivos inspirados na flora marítima e na náutica da época dos Descobrimentos.

Atualmente, além de conter um enorme acervo de livros e manuscritos, o Real Gabinete também promove realização de cursos, conferências, palestras, congressos, entre outros eventos, além do intercâmbio e a colaboração com universidades e institutos culturais e artísticos do país e do exterior.

O site do Real Gabinete é lindo, e você pode acompanhar os eventos que acontecem no local, bem como conferir as obras disponíveis no acervo digital.

Já coloquei essa biblioteca na lista de lugares que preciso conhecer quando eu visitar o Rio de Janeiro!

Gostou dessa lista? Se souber de outra biblioteca que merece entrar nesse TOP 10, me escreva nos comentários.